0
0
0
s2sdefault

 

MINISTROS EXTRAORDINÁRIOS

Ministros Extraordinários são cristãos leigos (não-ordenados) que. em virtude dos sacramentos do Batismo e da Crisma e da variedade de carismas que apresentam são convidados a colaborar na missão evangelizadora da Igreja, auxiliando o Pároco no exercício de suas atividades eclesiais na comunidade e na sociedade. Os ministros também são mensageiros da palavra de Deus, onde visitam enfermos e outros que não podem estar presentes à Igreja para participarem do banquete eucarístico. Tem também uma vida de exemplo e de acordo com o evangelho.

MINISTROS DA PALAVRA

"A tarefa de servir às pessoas com a Palavra de Deus é chamada de ministério da Palavra; o indivíduo que serve dessa forma é chamado de ministro. ’Ministério‘ aponta para a função, enquanto ’ministro‘ fala sobre o indivíduo. O ministério da Palavra ocupa um lugar importante na obra de Deus. Há princípios definidos que devem ser aprendidos por aqueles que pregam a Palavra de Deus e servem às pessoas por meio dela."
Os Ministros da Palavra auxiliam presidindo Celebrações da Palavra dominicais ou durante a semana.

MINISTROS DA COMUNHÃO

Ministros da Comunhão Eucarística, auxiliam na distribuição da Sagrada Comunhão nas Missas e Celebrações da Palavra e, adicionalmente, levam-na à enfermos de nossa comunidade que se encontram impossibilitados de participarem das missas.

MINISTROS DAS EXÉQUIAS

Ministros das Exéquias: auxiliam dando testemunho de esperança, de solidariedade e de conforto à famílias enlutadas por ocasião da perda de um ente querido.Pelas exéquias, a Igreja confia o defunto à misericórdia de Deus e, através da aspersão, das flores, dos cânticos e das orações, exprime a veneração que dispensa ao corpo que foi regenerado pelas águas batismais, se tornou templo do Espírito Santo e foi alimentado com o Pão da Vida. Consola os vivos enlutados, garantindo-lhes, pela fé, a união futura com o defunto na comunhão dos santos. Desta forma a celebração da morte alimenta em todos os fiéis a esperança da eternidade e afirma o caráter escatológico da vida cristã (SC, 8; LG, 48-51), pois os que foram configurados com Cristo na morte, com Cristo tomarão parte na Ressurreição.

 

Dízimo é: Ação de graças, solidariedade, partilha, fé e compromisso comunitário.