Warning: getimagesize(/home/psh1020/public_html/https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSUKJ9-Q71FpXpyYezBxdQw-F9pOxmqa0ZvkrUd1vTLaHYvq_Ej) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/psh1020/public_html/plugins/content/social2s/social2s.php on line 1568
0
0
0
s2sdefault

Começamos refletindo sobre a palavra ESPIRITUALIDADE: É tudo que é capaz de produzir em mim, uma mudança de pensamento, atitudes e conceitos, que me colocam em um novo rumo e me oferece um novo sentido para a vida. A espiritualidade é o nosso encontro com Deus, tanto o encontro individual como o encontro em grupo, pela nossa fé através da oração. O centro da nossa fé é o Cristo. A Espiritualidade vem condicionada pela compreensão ou visão de mundo, e pela vivência ou consciência  da Igreja.

Nas bodas de Caná percebemos a importância que Jesus dá para o sacramento do matrimônio e para a família, ao transformar a água em vinho, alegrando ainda mais aquela festa, festa que nunca deve terminar, mas sim, deve permanecer a alegria da presença de Jesus por toda a vida da família, família a qual começa a se formar nessa festa. Lembrando a frase: “onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, eu estarei no meio deles”.

Pelo sacramento do Matrimônio é que começa a se formar uma nova família, pelo sim de dois jovens que se unem amorosamente por toda uma vida, pois a família é um grande tesouro, um grande patrimônio da humanidade. É na família que se inicia um aprendizado por toda a vida, tanto religiosa como moral, e é também na família que se aprende os primeiros conhecimentos sobre Deus e o seu plano de amor para a humanidade.

Não basta só dar o “sim” as perguntas feitas pelo “assistente” diante do altar, mas colocar esse sim na prática a cada dia da vida familiar. É de extrema importância a educação dos filhos para a vida, pois os pais são os primeiros catequistas e professores; a educação dos filhos para a fé, a família que reza unida permanece unida, porque é a oração que nos fortalece e nos aproxima de Deus, sempre tendo Jesus presente na nossa vida.

É de extrema importância a convivência familiar, estar juntos, festejar juntos, cinema em casa com pipoca em família, planejamento sobre o futuro, irem juntos a missa.... é assim que a família permanece unida.

Podemos pensar em riquezas: mansão, carros, iates, fazendas, muito dinheiro... isso não traz felicidade, precisamos do necessário para bem vivermos, sim, que bom. Mas o verdadeiro tesouro da nossa vida é a família unida e feliz, ainda mais se estudarem juntos a palavra de Deus, a qual orienta o caminho seguro a percorer.

Um grande desafio que se encontra hoje no mundo é se muitas famílias ainda vivem como uma verdadeira família, se reunindo para rezar, para conviverem juntos, para conversar, para educarem seus filhos..... há algo que procura destruí-la, que é o individualismo(proporcionado pelos meios de comunicação como tv, internet, tablet...mantendo tudo muito virtual como gupos de amigos, família...acabando com o convívio familiar) , o consumismo( prendendo as pessoas nas “igrejas shopings” e as afastando de Deus), as drogas, os “falsos deuses”(idolatria( mantendo muitos até dias numa fila para ver um cantor)... são verdadeiras armadilhas do demônio que dizem deixar as pessoas felizes mas na verdade só destroem a vida, a família, a comunidade... como vencer essas armadilhas? Só pela educação, fé, oração, força que encontramos na família e na comunidade reunida... pois, uma família que permanece unida e vive os valores cristões é uma família feliz.

A falta de uma espiritualidade conjugal tornou-se um dos grandes assassinos do amor. Sem a força do Alto, ninguém persevera no amor. Sem a força do Alto ninguém passa da paixão ao amor. Sem a força do Alto é impossível achar sentido para a vida conjugal.
Padre Léo, scj

Cada família é uma pequena Igreja ( Igreja doméstica): Papa Francisco: “Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças” (EG, 49).

Pe. Marcos André Hartmann