0
0
0
s2sdefault

Criados a imagem e semelhança de Deus, o qual tem um plano para cada um  de nós. Fomos chamados a vida, e Deus nos deu a consciência para pensarmos e a liberdade para agirmos no mundo, obra de amor do Pai. Somos convidados a participar do projeto de Deus para a humanidade.

Pelo batismo nos tornamos filhos e filhas de Deus, lembrando que : “na Igreja de Cristo, todo batizado  é missionário”, somos convidados a fazer o nosso projeto de vida, que é um convite a tomar a vida nas próprias mãos e a descobrir a grandeza de decidir sobre a própria existência de um modo autônomo e comprometido, e por isso mesmo, pessoal e comunitariamente . A ausência de projeto leva a uma vida alienada, onde os outros decidem por mim.

Jesus também  seguiu um projeto quando veio morar no meio de nós, o qual se fundamentou na opção preferencial pelos pobres, o anúncio de reino de Deus, proclamou e viveu as bem aventuranças, formou uma comunidade de discípulos. Assim como Jesus teve um grande amor e se doou pela causa do reino, vamos nós também fazer o nosso projeto, o qual deve conter três elementos essenciais:

chamado-vocação: “chamou aos que ele quis”. Saber-se chamado pessoalmente por Deus é a experiência chave de toda vocação e de todo projeto de vida. É um sentir-se chamado a dar uma resposta livre de seguimento radical e de  felicidade.

comunidade: “chamou-os para que estivessem com ele”. Jesus chama a criar comunidade, a partilhar seu projeto. A comunidade é o lugar onde se concretiza o projeto como seguimento. Pertencer e viver a fé em comunidade é essencial a todo projeto de vida cristã.

missão: Jesus chama ao seguimento em comunidade para anunciar, oferecer e      construir o Reino na história dos homens.

Na hora de pensar um projeto para a nossa vida, vamos pensar em alguns elementos essenciais:

a autenticidade: fazer o projeto a partir do jovem e de sua realidade levando em conta suas capacidades e limites - que nem sempre podem analisar adequadamente - , seu aqui e agora, seu momento vital;

- o discernimento: pôr-se em atitude de escuta com fé e honradez para favorecer o encontro com aquele que, de verdade, a pessoa quer ser e o Espírito está sugerindo que seja;

- a adequação dos passos a dar, as ações e experiências a realizar, os ajustes, a aceitação de sua realidade e do marco temporal para que a construção do projeto possa ser mais real;

- as estruturas de apoio: identificar as que já têm e implementar as que necessitaria ter para continuar caminhando, descobrindo o que lhe ajuda a centrar-se, que lhe freia e lhe problematiza, que lhe potencializa, etc.;

- avaliação periódica: a necessária revisão que permite confrontar o grau de desenvolvimento do processo e motiva a seguir caminhando.

 

Quando falamos em jovens, vemos tantos grupos e tribos que se formam, a qual delas pertenço?

Tribos urbanas: Mauricinhos e Patricinhas: Normalmente são da chamada classe média alta ou da sociedade emergente. Têm carro, celular, computador, freqüentam festas, gostam de aparecer em colunas sociais e são viciados em Shopping Centers. Geração saúde: freqüentam as academias de ginástica, levam a vida em função de ter um corpo perfeito. Só se alimentam de comidas saudáveis. Torcidas organizadas: são fanáticos de determinados times, na maioria de futebol. Andam sempre juntos, são agressivos com as torcidas contrárias e até promovem atos de vandalismo. Muitos deles passam noites fazendo bandeiras, passando privações para seguir com fidelidade seu time. Fãs do Hip Hop: seguem a música e normalmente é uma maneira de resistência diante do racismo e da exclusão econômica e social. Têm uma maneira de se cumprimentar, de caminhar e até de falar. Grupos religiosos: são seguidores de uma Igreja, usam todos os sinais que dão identidade. As relações entre os membros são as de família e de obediência. Normalmente são grupos que procuram separar-se das coisas do “mundo”. Grupos da capoeira: são grupos de pessoas vinculadas a danças e a um estilo de viver. Dentro deles têm grupos mais identificados com o esporte e outros mais vinculados com a resistência negra. Grupos de traficantes e bandidos: têm códigos internos e até uma normativa moral que os identifica e diferencia de outros grupos. São “donos de território” onde eles dominam e cuidam dos moradores. São chamados “os meninos do morro”. Grupos de ruas ou bairros: são grupos de amigos e amigas que geram fortes relações e passam a maioria do tempo juntos. Normalmente têm um líder que os orienta e convoca.

Os grandes medos da juventude hoje:

DE MORRER: recrutados para as guerras não provocadas por eles, a violência no trânsito provocada por irresponsáveis e até por delinqüentes menores de idade, tráfego de drogas, confrontos e assaltos.

DE SOBRAR: num mundo de competição , modernismo e desemprego, o medo de ficar sobrando, nos perguntamos como o jovem rico do evangelho: “Jesus, o que eu preciso fazer para ganhar a vida eterna?”é preciso encontrar um sentido para a vida.

DE ESTAR DESCONECTADO: a rapidez das informações e acontecimentos, bem como a rapidez com que os meios de comunicação evoluem, provoca o medo de não conseguir acompanhar tudo o que acontece. Perguntamos: “o que é preciso saber e vivenciar para não se frustrar?”.

Além dos medos, os jovens tem três sonhos, que são:

VIVER: o qual envolve toda a beleza da juventude, ter amor a vida e a dignidade. A vida é o nosso bem mais precioso. Devemos preserva-lá. Cristo é vida, e vida em abundância.

RALIZAR-SE: os valores que constituem a vida devem ser assumidos com responsabilidade. Não no sentido de domínio sobre o mundo, mas na humildade, serviço, alegria de quem vive a fé e se aceita como é.

CONVIVER: o grande segredo é o amor, pois ninguém vive só. E a nossa convivência deve ser a base do amor. “amai-vos como eu vos amei”. Até o dia em que Deus será tudo em todos.

O QUE É IMPORTANTE HOJE PARA NÃO PERDER A VIDA? É nos deixar cativar, nos deixar conquistar por Cristo, pois nele vemos o rosto do Pai. É- hle igual em tudo. O corpo da Igreja animado pelo Espírito Santo e organizado por Cristo, tem o rosto de todas as idades humanas. Se lhe faltar uma idade fica desfigurado. A juventude constitui o presente jovem da Igreja. Retrata seu rosto juvenil e entusiasta.

Jovem, se apaixone por Cristo, só ele salva e transforma a sua vida. Além dos dez mandamentos, se acrescenta o caminho de Cristo: “eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vai ao Pai senão por mim”. Ele te chama, qual vai ser a tua resposta?

 

PAPA FRANCISCO: "É disso que os jovens precisam hoje: jovens com esperança e jovens com fortaleza. Não queremos jovens «fracotes», jovens estão por ai e nada mais, nem sim nem não. Não queremos jovens que se cansam rápido e que vivem cansados, com cara de tédio. Queremos jovens fortes. Queremos jovens com esperança e fortaleza. Por quê? Porque conhecem Jesus, porque conhecem Deus. Porque têm um coração livre". Discurso preparado para o encontro com os jovens na Costanera de Asunción, no dia 12 de julho.

 

 

 

REFERÊNCIAS:

http://www.clerus.org/clerus/dati/2007-11/24-13/RealizarProVida.html

 

CARTILHA DA JUVENTUDE: DOM  Dadeus  Grings.

 

PE. MARCOS ANDRÉ HARTMANN.